Outono aumenta incidência de doenças respiratórias

0
670
Dr. Rafael Geminiani, otorrinolaringologista do Centro Médico São José, de Cerquilho.

Variação de temperatura e uso de cobertores e roupas guardadas favorecem o surgimento do problema.

Já chegou o outono, estação marcada pela transição do calor do verão, que se foi, para o frio do inverno, que se aproxima. Aos poucos, as árvores perdem as folhas, as chuvas tornam-se escassas, o vento forte e o ar mais seco.

Mas, a estação não traz somente mudanças climáticas. A combinação de fatores faz voltar também velhos conhecidos dos otorrinolaringologistas: as doenças respiratórias, comuns nesta época.

Dr. Rafael Geminiani, otorrinolaringologista do Centro Médico São José, de Cerquilho (SP), revela que cuidados simples, logo nos primeiros dias de friozinho, podem ajudar a evitar os resfriados e alergias. “Os cuidados começam na hora de tirar os cobertores e casacos do guarda-roupas. Como ficaram guardadas por muito tempo, as peças precisam ser lavadas, pois acumulam poeira e ácaros, os principais causadores de alergias, rinites alérgicas e asma”, comenta.

Além dos fatores ambientais, os biológicos também merecem atenção, pois o frio diminui a imunidade do corpo, facilitando a entrada de vírus e bactérias causadoras de doenças. “A queda da imunidade aumenta as chances de surgir dores de ouvido, espirros, tosses e coriza (nariz escorrendo), sintomas de doenças infecciosas, como otites, sinusites, amigdalites, gripes e resfriados”, explica.

A baixa na imunidade ocorre, pois o corpo começa a direcionar mais energia para a manutenção da temperatura, reduzindo a potência do sistema imunológico. “Uma forma de evitar esta situação é evitar mudanças bruscas de temperatura e seguir os antigos conselhos da mãe e da avó: sair de casa bem agasalhado, não se expor ao vento, não andar descalço, não beber líquidos gelados, evitar ficar com o cabelo molhado e sair de casa logo após um banho quente, dentre outros”, lembra Dr. Geminiani.

Ainda de acordo com o otorrinolaringologista, as doenças respiratórias afetam, principalmente, crianças e idosos. “Crianças de até cinco anos estão mais expostas, pois ainda não tiveram contato com a maioria dos tipos de vírus e bactérias, ou seja, têm o sistema imunológico ainda em desenvolvimento. Já, os idosos, por sua vez, possuem a imunidade baixa por conta da idade, que enfraquece naturalmente as defesas do organismo. Daí a importância da vacinação contra a gripe, realizada neste período de tempo mais frio”, ressalta.

Assim como aumenta o número de casos de doenças respiratórias, sobe também o número de inalações nas unidades de saúde. “Os processos infeciosos e alérgicos acometem os pulmões, criando dificuldades respiratórias. A inalação desobstrui os brônquios, melhorando a respiração”, detalha o otorrinolaringologista.

Além das inalações, o tratamento envolve, muitas vezes, o uso de medicamentos. “Antibióticos, xaropes e antialérgicos são utilizados no tratamento das doenças respiratórias. Lembrando que não se deve utilizar remédios por conta própria. O recomendado é que o médico faça o diagnóstico e, aí sim, indique a opção mais adequada, que deve ser comprada com receita”, conclui.

 

O Centro Médico São José fica na Avenida Presidente Washington Luiz, 392, Centro, em Cerquilho. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone: (15) 3288-4848, pelo site:www.centromedicosaojose.com.br ou pelo Facebook: www.facebook.com/centromedicosaojose.

 

______________________________

Fonte: QNotícia Comunicação.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA